Agricultores e trabalhadores pedem para serem colocados no centro da legislação de due diligence.

25/05/2022

Embora a Declaração Universal dos Direitos Humanos tenha sido criada há mais de 70 anos, suas aspirações permanecem insatisfeitas para milhões de agricultores e trabalhadores em todo o mundo. Até hoje, os abusos dos direitos humanos e as violações ambientais continuam prevalecendo nas cadeias de suprimentos agrícolas e no comércio global.

Apesar de fortes iniciativas voluntárias, como o Fairtrade, a legislação é vital para garantir que os direitos humanos e ambientais sejam respeitados em todas as etapas da jornada de um produto, desde o campo agrícola inicial até a prateleira final da loja.

Organizações de agricultores e trabalhadores rurais têm menos poder nas cadeias de suprimentos globais e geralmente recebem o menor valor de um produto. Em uma carta aberta, os agricultores e trabalhadores do Fairtrade pedem uma legislação de due diligence impactante e forte para mudar essa situação, pedindo à União Europeia que inclua suas vozes e necessidades nas próximas negociações.

"Diálogo com pessoas afetadas adversamente por práticas empresariais é um princípio fundamental em direitos humanos e due diligence ambiental. Nós, como titulares de direitos, queremos ser ouvidos", diz um trecho.

A carta é uma reação à proposta recentemente lançada da Comissão Europeia para uma lei abrangente de due diligence. Mais de 270 Fairtrade para organizações certificadas da América Latina e África assinaram a carta que foi enviada às autoridades europeias em 24 de maio. Mais de 40 empresas europeias apoiam a sua mensagem.

Os autores da carta reconhecem que a proposta atual é um bom começo, mas questionam se a legislação sugerida é ousada o suficiente para trazer mudanças positivas para agricultores e trabalhadores.

Os seus principais pedidos são que a futura legislação da UE em matéria de direitos humanos e diligência ambiental (DDDH)

- Alarga a obrigação de due diligence a toda a cadeia de abastecimento e aplica-se a todas as empresas;

-Promove a colaboração e partilha de custos;

-Exige que as empresas revisem e, se necessário, ajustem suas práticas de compra e venda;

- Menciona especificamente o salário mínimo e a renda como direitos humanos;

-Requer um envolvimento significativo das partes interessadas com agricultores e trabalhadores em todas as fases do processo;

Em sua carta, agricultores e trabalhadores apontam que a proposta depende muito de garantias contratuais (por exemplo, códigos de conduta), tornando mais fácil para as grandes empresas transferir a responsabilidade para outros na cadeia de suprimentos, em vez de arcar com o impacto de suas próprias práticas de compra.

Eles também enfatizam que a renda vital é um direito humano e uma pré-condição para o cumprimento de outros direitos humanos. Qualquer legislação futura deve aproximar a renda atual de meios de subsistência sustentáveis. Grupos de fazendas e plantações só podem abordar os direitos humanos e os desafios ambientais se as empresas compartilharem o custo da conformidade.

Além disso, agricultores e trabalhadores salientam que é crucial um diálogo e uma colaboração significativos entre as empresas europeias e os seus fornecedores. Isso faz com que as empresas entendam as várias maneiras pelas quais os negócios afetam as pessoas e o meio ambiente e permite uma colaboração eficaz para responder a impactos adversos.

Agricultores e trabalhadores certificados pelo Fairtrade abriram o diálogo. Apelamos aos legisladores europeus para que respondam para que a futura legislação de direitos humanos da UE possa fazer uma diferença real para aqueles mais afetados por violações de direitos humanos e questões ambientais.

Publicado originalmente no site da Fairtrade Internacional.

Saber mais

recomendado

Contato
Siga-nos
linkedin Facebook pinterest YouTube rss Twitter Instagram facebook em branco rss-em branco linkedin-blank pinterest YouTube Twitter Instagram