Escola de Liderança Fairtrade: Sete Anos de Empoderamento das Mulheres

09/08/2021

Para aumentar a participação ativa das mulheres nas organizações de pequenos produtores, tanto em nível de filiação quanto em cargos de representação ou tomada de decisão, a Coordenadora de Pequenos Produtores e Trabalhadores da América Latina e do Caribe (CLAC) começou a trabalhar uma iniciativa para criar espaços de formação específica para fortalecer a liderança feminina.

continue lendo Escola de Liderança Fairtrade: Sete Anos de Empoderamento das Mulheres

Há sete anos em muitas organizações de pequenos produtores havia muito pouca participação das mulheres. Em geral, os conselhos de administração e os órgãos de gestão eram compostos exclusivamente por homens. E embora houvesse mulheres e jovens cooperados, eles ainda não haviam desenvolvido sua liderança.

Assim, em 2014, a CLAC iniciou a "Escola de liderança e empoderamento para mulheres" com um programa piloto com cooperativas em El Salvador. Este esforço foi acompanhado pelo TRIAS da Bélgica e outras organizações no âmbito do programa 2014-2016 “El Salvador rumo ao desenvolvimento inclusivo: mulheres, homens e jovens de suas organizações de base tornam o desenvolvimento econômico uma realidade promovendo processos regionais sustentáveis”.

Neste primeiro esforço, foram realizadas dez oficinas com 42 mulheres participantes da CLAC, da Fundação para o Autodesenvolvimento das Micro e Pequenas Empresas (FADEMYPE), da Rede Cooperativa Sindical de Mulheres (RUM), da Confederação das Federações de Reforma Agrária Salvadoreña ( CONFRAS) e a Fundação Agência de Desenvolvimento Econômico Local (ADEL Morazán); todos os empresários e produtores. Utilizando uma metodologia de educação popular na qual foram desenvolvidos dois módulos sobre liderança e participação da mulher, abrangendo nove temas, explicou Rubidia Escobar, assessora de gênero e juventude da CLAC.

“Foi um processo muito importante para nós que somos da cooperativa, porque antes não tínhamos muito conhecimento sobre os papéis que cada mulher pode desempenhar dentro das organizações, e que nós mulheres temos voz e voto dentro dela. e nós nos ajudou a poder ocupar outros cargos gerenciais dentro das organizações e assim tirar o nosso medo, porque antes das escolas de liderança tínhamos até medo de falar”, disse Silvia Hernández, que participou da escola e atuou como a primeira mulher vice-presidente da cooperativa Los Pinos em El Salvador.

O objetivo central da escola de liderança é o empoderamento pessoal e organizacional de mulheres adultas e jovens para potencializar sua participação ativa nos espaços decisórios das organizações por meio de um espaço de formação, reflexão e intercâmbio para a inclusão das mulheres nas organizações de base.

Uma das riquezas dessa primeira experiência foi que as próprias mulheres foram as protagonistas da Escola, pois as integrantes das organizações que receberam as oficinas posteriormente se tornaram facilitadoras da replicação dos temas recebidos em sua organização com outro grupo de mulheres. características e contextos semelhantes, eliminando a lacuna que ocorre em outros processos com facilitação externa. Outro elemento importante é que cada participante se situa a partir de uma posição de compartilhar suas experiências e aprender com as experiências de vida dos outros.

“Aprendi que todos temos o mesmo valor, homens e mulheres, todos temos o mesmo valor e aprendemos que neste ambiente da vida não podemos nos sentir subestimados, mas se vão nos nomear para um trabalho, pode fazer o mesmo que os homens.”disse Leticia González, membro do conselho de administração da cooperativa Los Pinos.

Até 2020, a Escola de Liderança e Empoderamento Feminino da CLAC foi implementada em 4 países: El Salvador, Honduras, Guatemala e Peru, principalmente em organizações produtoras de café e açúcar, com a participação de 305 mulheres.

Através da Escola de Liderança "A confiança está sendo fortalecida e como resultado desses espaços, as mulheres saem com uma autoestima reforçada, maior autoconfiança e maior confiança em outras mulheres, por isso contribui para a parte associativa nas organizações", Rubídia Escobar se destaca.

Como suporte para os facilitadores, há o manual metodológico da Escola de Liderança, que é estruturado por módulos temáticos onde os líderes podem encontrar os guias e material de trabalho básico para a realização das oficinas.

“Os treinamentos foram extremamente importantes para progredir pessoalmente e nas questões de gênero. Aprendi muito quando participei dos workshops da Escola de Liderança. A oficina foi composta por 10 módulos e foi realizada em dois meses. Esses treinamentos foram baseados no manual metodológico da escola de liderança feminina. Lá tive a alegria de compartilhar com 19 mulheres e 17 jovens, uma experiência muito bonita, pois pude perceber que os jovens têm muitas habilidades e demonstram interesse na participação direta tanto quanto as mulheres”. disse Miriam Aracely Ipiña Casasola, presidente da Comissão Nacional de Mulheres Líderes da Coordenadora Guatemalteca do Comercio Justo (CGCJ).

recomendado

Contato
Siga-nos
linkedin Facebook pinterest YouTube rss Twitter Instagram facebook em branco rss-em branco linkedin-blank pinterest YouTube Twitter Instagram