No Dia Mundial Comercio Justo, pergunte-se: de que tipo de negócio faço parte?

08/05/2021

É o Dia Mundial Comercio Justo novamente! Uma oportunidade para celebrar e refletir sobre as oportunidades que temos todos os dias para moldar o funcionamento do comércio.

Isso soa muito idealista? Pense de novo. Não importa quem você é, toda vez que você compra uma banana ou toda vez que sua empresa decide o que comprar, você desempenha um papel. O mesmo se aplica se você precisar decidir como cultivar, ou mesmo quais mensagens ou políticas defender como representante do governo ou ativista. Estamos todos interligados. Causa e efeito.

Em vez de ser uma barreira para a justiça social, vamos fazer dessa conexão uma força. Por estarmos conectados, podemos unir forças para moldar não apenas o futuro, mas o presente.

continue lendo No Dia Mundial Comercio Justo, pergunte-se: de que tipo de negócio faço parte?

Um agricultor ou trabalhador pode ter apenas dificuldades, mas juntos ele e seus vizinhos podem formar uma cooperativa para ter uma melhor posição nas negociações, melhorando seu negócio e sua comunidade.

Uma empresa que trabalha sozinha para fazer negócios de forma mais sustentável pode ajudar algumas centenas de agricultores ou trabalhadores, mas desafiar o setor em que trabalham, fazendo com que seus parceiros e concorrentes façam o mesmo, muda centenas de milhares de vidas.

Uma pessoa sozinha, mudando hábitos e fazendo compras mais justas pode significar alguma coisa, mas aquela pessoa que inspira outra que inspira a próxima logo se torna uma comunidade exigindo mudanças.

O efeito é ainda maior quando trabalhamos em nossa esfera de influência. Produtores com marcas, consumidores com organizações, governos com empresas e muito mais.

Abaixo estão algumas histórias inspiradoras de pessoas quebrando silos ao redor do mundo para tornar o comércio justo a norma. Você vai se juntar?

DA ÍNDIA À SUÉCIA: MUDANDO O MUNDO DA MODA, UM PAR DE JEANS DE CADA VEZ.
Uma rua fria e chuvosa no centro de Gotemburgo, na Suécia, não poderia estar muito mais longe dos campos de algodão quentes e empoeirados de Yavatmal, na Índia central; no entanto, há um forte fio que une as duas comunidades.

Gotemburgo é o lar da Nudie Jeans, uma marca de moda criada em 2001 que fornece algodão orgânico para sua linha de jeans e outras roupas da empresa Chetna Organic certificada Fairtrade em Yavatmal.

“O que torna a Nudie Jeans tão especial é nosso foco principal em questões de sustentabilidade. Desde o primeiro dia, trabalhamos duro para criar um modelo de negócios moderno e sustentável”diz o CEO e cofundador Joakim Levin. “O Comercio Justo é uma parte importante de como trabalhamos com nossa cadeia de suprimentos, pois a indústria do algodão é problemática. Trabalhando com pequenos agricultores que geralmente são muito pobres, o Fairtrade lhes dá estabilidade, é claro, e pode ajudá-los a criar uma cadeia de suprimentos mais sustentável e saudável, é algo em que estamos muito interessados."

“Quando viajamos para a Índia para visitar agricultores e aldeias, vemos a diferença que faz”Jenny diz. “É claro que, uma vez feito, ele quer fazer mais e quer fazer melhor. Se você esteve nessas pequenas cidades e viu o impacto que isso tem sobre os agricultores e suas famílias, especialmente as meninas, você nunca mais vai querer comprar outro tipo de algodão."

“Nosso objetivo sempre foi trabalhar de forma sustentável com algodão orgânico, mas quando começamos esse era um conceito bastante novo no mercado têxtil. Há muito tempo tentamos trabalhar de forma sustentável em todos os aspectos do negócio, tanto social quanto ambientalmente.Jenny diz. “Sempre tentamos trabalhar com tecidos sustentáveis e já percorremos um longo caminho. Nossa esperança é que mais empresas nos sigam no futuro, comecem a comprar algodão orgânico e Comercio Justo. Esse é o futuro: outras alternativas não são tão sustentáveis e não ajudam os cotonicultores."

POR TRÁS DE UM CAFÉ FORTE ESTÁ UMA COMUNIDADE FORTE
No alto das colinas acima de Salamina, na belíssima região cafeeira de Caldas, na Colômbia, ocorreu uma revolução silenciosa. Neste canto da América Latina, as mulheres estão desafiando o estereótipo de gênero, administrando fazendas de café de sucesso e gerenciando uma cooperativa com cerca de 2.300 membros.

“Acho que, como mulher, meu papel na cooperativa é muito especial”diz Liliana, Liliana Andrea Valencia Duque, Presidente da Cooperativa dos Cafeicultores do Norte Caldas. “Pouquíssimas mulheres têm a oportunidade de representar os cafeicultores. Eu quero que o mundo saiba sobre nosso trabalho para tornar as mulheres visíveis, fazendo trabalhos onde elas se sintam valorizadas e encorajadas.”

Além de seu café forte, a cooperativa se orgulha especialmente de seu trabalho na promoção da saúde da mulher. Há cerca de quatro anos iniciaram um dia de promoção e prevenção da saúde da mulher. “No ano passado, ampliamos o programa para que cerca de 150 mulheres pudessem fazer o exame de mama. Tem sido uma experiência muito bonita para as mulheres, elas se sentem muito queridas pela cooperativa, se sentem valorizadas e sabem que as mulheres são importantes para a organização”, explica Liliana.

Lindelia Quintero Suárez, diretora da cooperativa acrescenta: “É importante porque antes eles tinham que ir para outra cidade fazer esses exames de mama, e eram muito caros. Agora eles terminaram aqui e estou muito feliz e encorajado que as mulheres ainda os tenham."

“Se não tivéssemos a certificação Fairtrade, não teríamos recebido os recursos adicionais de um mercado em crescimento que nos permitiu desenvolver o programa de saúde” diz o gerente da cooperativa, César Julio Díaz Lasso. "A certificação Fairtrade gera recursos adicionais que são muito importantes para os produtores e cobrem muitas de suas necessidades que o dinheiro do cultivo convencional de café não cobriria."

PONTUAÇÃO PARA UM FUTURO MAIS JUSTO
Um grupo de meninos e meninas empolgados levanta nuvens de poeira enquanto perseguem bolas de futebol em um campo de treinamento em Goa, na Índia. Alguns deles são tão pequenos que suas camisas de futebol estão até os joelhos. Apenas mais um bando de jovens loucos por futebol curtindo um chute? Não é bem assim: são os filhos da Fundação Forca Goa e estão a brincar com as bolas do comércio justo.

A Fundação foi criada pelo Forca Goa FC, um dos melhores clubes de futebol da Índia que compete na Super Liga Indiana e venceu a Supercopa da Índia no ano passado. O objetivo é simples: usar o poder do futebol para transformar a vida dos jovens em Goa.

Presidente e co-proprietário Akshay Tandon pega a história. "Decidimos usar o futebol como forma de unir as pessoas e criar um programa de base em todo o estado", Ele diz. "Criamos a Fundação Forca Goa em três pilares: sustentabilidade, empoderamento e futebol."

Desde o início, a Fundação foi guiada pelos princípios de Comercio Justo Fairtrade. “O Comercio Justo pode ser visto como um conjunto de valores ou virtudes, com base nos quais nos conduzimos”, diz Akshay. “Achamos que o Fairtrade é o sistema de valores certo a ser usado para que, quando essas crianças crescerem, tenham os mesmos valores que o Fairtrade representa.”

Desde que adotou o uso dos produtos Fairtrade, não apenas bolas de futebol, mas também camisas e moletons de futebol, a Fundação está focada em capacitar meninas e jovens por meio do esporte.

"Com nossa campanha, garantimos que as meninas não apenas se desenvolvam no campo, mas também tenham um desenvolvimento integral", diz Josline Dsouza, que trabalha para a Fundação. “Não buscamos apenas desenvolver as habilidades futebolísticas das crianças, mas também o aspecto social. Tentamos conscientizar as crianças sobre os problemas sociais e ambientais.”

"Fazemos treinos diários, mas não se trata apenas de jogar futebol", diz Ishita. “Após cada sessão de treinamento, temos algo chamado Learning Pitch, onde ensinamos nossos filhos sobre sustentabilidade, igualdade de gênero e boa saúde e nutrição. Nós nos esforçamos para educar todas as crianças sobre a importância de usar produtos sustentáveis e sermos campeões da sustentabilidade.”

De um cafeicultor que escolhe métodos resilientes ao clima, a alguém que opta por comprar açúcar feito em condições de trabalho justas, as decisões de todos são importantes e, em última análise, influenciam o funcionamento do comércio.

No Dia Mundial Comercio Justo, lembremos que juntos podemos fazer desta causa e efeito uma força escolhendo de acordo.

recomendado

Contato
Siga-nos
linkedin Facebook pinterest YouTube rss Twitter Instagram facebook em branco rss-em branco linkedin-blank pinterest YouTube Twitter Instagram