No Dia Internacional da Mulher, as organizações Comercio Justo reivindicam e celebram

08/03/2021

Madrid, 1 de março de 2021 COORDENADOR ESTADO DE COMÉRCIO JUSTO

Neste 8 de março, as organizações Comercio Justo se unem às reivindicações e comemorações pelo Dia Internacional da Mulher.

Nós reivindicamos

Neste 8 de março de 2021, afirmamos que as desigualdades entre homens e mulheres continuam sendo uma realidade em todos os países do mundo. As consequências económicas e sociais da pandemia agravaram e podem agravar ainda mais esta situação caso não sejam adotadas medidas.

continue lendo No Dia Internacional da Mulher, as organizações Comercio Justo reivindicam e celebram

No final de 2020, as Nações Unidas já alertavam que a pandemia havia empurrado 47 milhões de mulheres e meninas para a pobreza extrema. No total, haverá 435 milhões de mulheres e meninas vivendo em extrema pobreza e não retornará aos níveis pré-pandemia até 2030. Segundo estimativas da ONU, as consequências serão mais graves na África Subsaariana - onde três em cada cinco mulheres vivem em situação de pobreza, e também na América Latina e na Ásia.

No sul da Ásia, até 2030, as Nações Unidas estimam que para cada 100 homens entre 25 e 34 anos vivendo na pobreza no sul da Ásia, haverá 129 mulheres pobres, em comparação com 118 estimados para 2021.

Esses obstáculos se somam aos que já existiam antes do COVID-19, que dificultam o desenvolvimento social, humano e econômico das mulheres, bem como sua participação e liderança.

Apesar de algum progresso, nenhum país alcançou a igualdade de gênero. Alguns dados confirmam isso: por exemplo, na esfera política e decisória, os homens constituem 75 % de parlamentares e ocupam 73 % de cargos de gestão

No trabalho remunerado, menos de dois terços das mulheres (62 %) entre 25 e 54 anos fazem parte da população ativa, contra mais de nove em cada dez (93 %) homens. As mulheres ganham 77 centavos para cada dólar que os homens ganham fazendo as mesmas tarefas.

Nos cuidados e no trabalho doméstico, as mulheres continuam a assumir a maioria dessas tarefas em todos os países do mundo.

No entanto, um estudo recente do PNUD confirma que certas medidas políticas podem ajudar a aliviar esta situação: mais de 100 milhões de mulheres e meninas podem escapar da pobreza se os governos implementarem uma estratégia que permita às mulheres o acesso a salários justos e igualdade, e outras medidas como acesso à educação para meninas e mulheres e planejamento familiar.

“Investir na redução da desigualdade de gênero não é apenas inteligente e acessível, mas também uma escolha urgente que os governos podem fazer para reverter o impacto da pandemia na redução da pobreza”. diz o administrador do PNUD.

Nós celebramos

Mas, além disso, neste 8 de março, as organizações Comercio Justo querem mostrar que é possível e necessário caminhar para a igualdade.

O princípio número 6 do Comercio Justo refere-se à igualdade de gênero. Todas as organizações Comercio Justo devem cumprir uma série de medidas específicas:

  • Reconhecer e promover o pleno direito das mulheres ao emprego.
  • Ter um plano definido para promover a igualdade de gênero.
  • Garantir a mesma remuneração para homens e mulheres pelo mesmo trabalho.
  • Incentivar a presença de mulheres nas equipes de gestão.
  • Formação profissional e técnica para mulheres e homens que favorece o desenvolvimento das suas capacidades.
  • Participação das mulheres nas decisões de sua organização.7
Além disso, muitas organizações Comercio Justo desenvolvem medidas complementares: benefícios específicos, promoção da educação de filhas e filhos (bolsas, escolas, transporte...), oficinas sobre igualdade e direitos das mulheres, iniciativas para prevenir a violência de gênero, etc.
Em primeira pessoa

Desta forma, o Comercio Justo avança para a igualdade entre homens e mulheres. Como exemplo disso, aqui você pode ler as histórias de 3 #MujeresDelComercioFair:

“O Comercio Justo empodera as mulheres”, Sagrario Angulo, da organização do Comercio Justo Camari (Equador)

“Temos muitos exemplos de mulheres que mostram que é possível”, Merling Preza, Vice-Presidente da CLAC (Nicarágua)

“Homens e mulheres têm os mesmos direitos”, María Ávila, da cooperativa Comercio Justo Agropía (Peru)
 

Acompanhe a comemoração do Dia Internacional da Mulher nas redes sociais: #MujeresDelComercioFair #ComercioJustoFeminista #WomenofFairTrade

recomendado

Contato
Siga-nos
linkedin Facebook pinterest YouTube rss Twitter Instagram facebook em branco rss-em branco linkedin-blank pinterest YouTube Twitter Instagram