Seis fatos que você não sabia sobre o café (Fairtrade)

06/10/2022

O café é uma das commodities mais comercializadas no mundo, depois do petróleo, do aço ou dos metais preciosos. Consumimos bilhões de xícaras de café todos os dias, é uma das bebidas mais populares. O Dia Internacional do Café, comemorado em 1º de outubro, é uma ótima oportunidade para pensar nas pessoas a quem devemos nosso café energizante e saboroso: os cafeicultores.

Pequenos agricultores produzem entre 70% e 80% de café mundial. Infelizmente, eles muitas vezes não são pagos de forma justa pelo seu trabalho. Uma das formas de melhorar as condições de vida e de trabalho dos agricultores é através do Fairtrade, um esquema de certificação de produtos e associação comercial baseado no diálogo, transparência e respeito. Leia sobre seis fatos que você pode não saber sobre o café certificado FAIRTRADE.

1. Mais de 800 mil agricultores em 656 cooperativas

Estima-se que até 125 milhões de pessoas vivam do café. E tudo começa por quem produz os grãos de café. O Fairtrade é um esquema de certificação ética de produtos que reúne 838.116 agricultores que cultivam café no chamado “Cinturão do Café”, que é a área entre os Trópicos de Câncer e Capricórnio. Os agricultores do sistema Fairtrade não trabalham sozinhos, mas unem-se a cooperativas para enfrentar desafios de forma mais eficiente, negociar contratos, partilhar conhecimentos e fazer o melhor uso possível do dinheiro ganho através do Fairtrade. Existem atualmente 656 organizações de produtores de café com certificação Fairtrade em quatro continentes.

2. Uma rede de segurança em um contexto muito imprevisível

De acordo com as previsões, em 2022 o setor cafeeiro mundial poderá gerar mais de 430 bilhões de euros, e em 2028 o valor poderá crescer para quase 500 bilhões de euros. Ao mesmo tempo, muitos cafeicultores ganham apenas um euro ou menos por dia, principalmente devido à flutuação dos preços do café no mercado mundial, eventos climáticos extremos que ameaçam a produção de café ou crises globais como a pandemia de COVID-19. Fairtrade responde a este desafio. Os agricultores do sistema Fairtrade beneficiam da estabilidade de rendimentos assegurada pelo Preço Mínimo Fairtrade. É um preço fixo para produtos que visa cobrir os custos de produção e garantir a subsistência e se aplica quando o preço de mercado cai.

A Fairtrade International realiza diversas ações para melhorar constantemente os padrões de vida dos agricultores. Por exemplo, consultas com pequenos produtores de café na Colômbia e na Indonésia e com especialistas levaram ao estabelecimento dos chamados Preços de Referência do Rendimento de Dificuldade, que seriam suficientes para uma vida digna. Estes são os preços que os produtores de café devem receber pela sua colheita para ganharem dinheiro suficiente para cobrir despesas como habitação digna, alimentação nutritiva, educação e outras necessidades que constituem uma vida digna. Atualmente, o pagamento dos Preços de Referência do Rendimento de Dificuldade é voluntário para empresas que pretendam obter lucros decentes nas suas cadeias de abastecimento.

3. Das escolas às infraestruturas: 483 milhões de euros em benefício dos agricultores e das comunidades locais

Quando os agricultores no sistema Fairtrade vendem a sua colheita, recebem uma quantia adicional em dinheiro, o Prémio Fairtrade, além do preço de venda. O Prémio é pago às cooperativas de agricultores, que gerem os fundos de forma democrática e decidem em conjunto a melhor forma de utilizar o dinheiro para o desenvolvimento. Os projetos financiados pelo Fairtrade Premium incluem a melhoria das explorações agrícolas, a compra de máquinas e equipamentos ou o investimento na transição para a agricultura biológica. O Prémio serve também para financiar projetos que beneficiem as comunidades locais, como a renovação de escolas, o funcionamento de um centro de saúde ou a instalação de abastecimento de água potável. Desde 2015, os cafeicultores de cooperativas certificadas Fairtrade receberam o montante total de 483 milhões de euros do Prémio Fairtrade.

4. Lutando pela Igualdade de Gênero

Quinze por cento dos agricultores são mulheres, o que significa que a grande maioria dos produtores de café Fairtrade são homens. Há uma série de razões por trás da baixa participação das mulheres, mas a falta de igualdade de género continua a ser um factor importante.

O objectivo dos Padrões Comercio Justo Fairtrade é aumentar o número de mulheres que possuem e gerem as suas próprias explorações agrícolas para permitir que mais mulheres tenham acesso aos benefícios do Fairtrade. O projecto “Mulheres no Café” é um bom exemplo. O projeto é realizado, entre outros, na cooperativa Kapkiyay, no Quénia, e inclui 325 mulheres agricultoras de todas as idades. O projecto ajuda as mulheres a desenvolverem as suas competências, aprenderem novas práticas agrícolas e, em última análise, gerarem lucros para si próprias. A agenda do projecto também inclui a mudança da percepção do papel das mulheres nas comunidades locais. O projeto “Mulheres no Café” mudou a vida de muitas mulheres que se tornaram proprietárias de plantações de café e recebem dinheiro pela sua colheita. As mulheres participam de treinamentos que visam melhorar o volume e a qualidade do café.

5. Café Fairtrade significa qualidade

Uma parte considerável do café Fairtrade também se enquadra na categoria de especialidades. As redes de produtores Fairtrade organizaram a chamada competição "Golden Cup" para promover o café Comercio Justo Fairtrade e aumentar sua presença em todo o setor cafeeiro mundial. O objetivo do evento é promover o café de alta qualidade produzido por cooperativas certificadas Fairtrade em todo o mundo. A edição deste ano acontece em 15 países. A competição Golden Cup incentiva os produtores a melhorar a qualidade de seu café, ao mesmo tempo em que lhes oferece a oportunidade de interagir com potenciais compradores e fazer novos negócios.

6. Mais ecológico, mais resistente às mudanças climáticas

Durante mais de três anos, o Fairtrade formou 8.500 produtores de café em duas regiões do Quénia para aumentar a sensibilização sobre as alterações climáticas. A Academia Climática Fairtrade em África é um programa extenso que visa tornar os cafeicultores mais resilientes às alterações das condições climáticas. Durante o curso os especialistas destacaram a importância da diversificação das culturas. Portanto, cada cooperativa montou estufas para se familiarizar com o cultivo de diversas frutas e vegetais, evitando depender fortemente de um único produto. A Fairtrade Climate Academy ajuda os agricultores a ajustar as suas práticas agrícolas atuais para práticas mais sustentáveis e a utilizar fontes de energia alternativas. Os agricultores receberam apoio para mudanças diárias, como eletrodomésticos de cozinha mais eficientes em termos energéticos com a utilização de briquetes de café, ou painéis solares para uso de rádio, carregamento de telemóveis e luz. Como resultado, os 80% dos participantes do programa aplicaram as novas tecnologias defendidas durante o treinamento.

Postado originalmente em 5 de outubro no site de Fairtrade Internacional

Compartilhar

recomendado

Contato
Siga-nos
linkedin Facebook pinterest YouTube rss Twitter Instagram facebook em branco rss-em branco linkedin-blank pinterest YouTube Twitter Instagram