Entendendo a proposta de RH da UE - Uma conversa com o Dr. Tytti Nahi do Fairtrade

25/02/2022

Em 23 de fevereiro, a Comissão Europeia apresentou sua proposta de regulamento para toda a União Européia sobre Direitos Humanos e Due Diligence Ambiental (HRDD) que insta as grandes empresas que colocam produtos no mercado da UE a reduzir e remediar qualquer impacto negativo grave que elas ou suas cadeias de suprimentos têm sobre as pessoas ou o meio ambiente.

Ler mais... Entendendo a proposta de RH da UE - Uma conversa com o Dr. Tytti Nahi do Fairtrade

Esses regulamentos podem melhorar muito os meios de subsistência e outros direitos humanos de agricultores e trabalhadores que operam nas cadeias de suprimentos globais. Mas muitos grupos de agricultores certificados pelo Fairtrade temem o oposto: regulamentação mal definida que poderia excluir agricultores e trabalhadores vulneráveis das cadeias de suprimentos.

Como muitas organizações de justiça social em todo o mundo, a Fairtrade acompanhou os preparativos para esta proposta por vários anos. Mas o que diz a proposta?

Nós conversamos com o Dr. Tytti Nahi, Líder Fairtrade em Negócios e Direitos Humanos, sobre a sua opinião sobre a proposta da Comissão Europeia sobre direitos humanos e sobre o impacto que espera que tenha na oferta de justiça aos consumidores e agricultores europeus em todo o mundo.

Obrigado, Tytti, por conversar conosco hoje. À partida, qual é a importância da proposta da Comissão Europeia sobre a DRPH?

Não é nada menos do que uma proposta inovadora. A proposta de uma obrigação de DHREDD em toda a UE é um grande primeiro passo para um ambiente de negócios que leve a sério o bem-estar das pessoas e a sustentabilidade ambiental.

A proposta vem sendo elaborada há muito tempo. Na verdade, é baseado em um acordo global, forjado nas Nações Unidas em 2008, que insta as empresas a respeitar os direitos humanos e estabelecer um processo robusto de due diligence que identifique, trate e dê conta dos impactos que as operações e cadeias de valor têm sobre as pessoas e o meio ambiente. O conceito teve tanto sucesso que França, Alemanha e Suíça, por exemplo, já consagraram essa responsabilidade em leis nacionais vinculantes.

Mas acima de tudo, a proposta da UE faz sentido. Assim como as empresas devem garantir que seus produtos sejam seguros para os consumidores, elas também devem assumir a responsabilidade de garantir que a produção seja segura para trabalhadores, agricultores e meio ambiente.

Assim, são as empresas que devem resolver seus problemas de direitos humanos.

Bem, se esse fosse o escopo da pergunta, então seria bastante simples. Mas o problema é muito mais complexo do que parece à primeira vista. Quando os perigos - à segurança e aos direitos dos consumidores ou produtores - são encontrados nas cadeias de suprimentos, o desafio de resolvê-los se torna mais complexo. Em suma, as empresas não podem resolvê-los sozinhas: precisam do apoio e colaboração de toda a sua cadeia de suprimentos.

Mas os atores a montante da cadeia de suprimentos muitas vezes lutam por conta própria para interromper, prevenir e remediar as violações em sua totalidade. E não é por falta de tentativa. Muitos deles, incluindo milhões de pequenos agricultores, simplesmente carecem de recursos: o poder econômico e o valor são distribuídos de forma altamente desigual em muitas cadeias de suprimentos globais. É por isso que é imperativo que as empresas que operam nos mercados da UE também apoiem os seus fornecedores - especialmente os que estão no início da cadeia de abastecimento - através de preços justos, outras práticas de compra justas e projetos de desenvolvimento concretos.

Como se insere a proposta da Comissão Europeia nesta dinâmica?

A proposta da Comissão Europeia é boa para empresas que levam a sério a sustentabilidade. Na verdade, iguala as condições para que todas as empresas nos mercados da UE invistam na sustentabilidade das pessoas e do meio ambiente. Por esta razão, mais de 100 empresas, investidores, associações empresariais e iniciativas assinaram uma declaração conjunta no início deste mês exortando a UE a adotar rapidamente este regulamento.

No entanto, para que este regulamento realmente ajude as empresas a se tornarem mais responsáveis e sustentáveis em toda a Europa, três pontos permanecem cruciais: as obrigações de due diligence devem ser estendidas a toda a cadeia de suprimentos; devem basear-se no envolvimento significativo das partes interessadas; e deve incluir revisão e reforma contínuas de compras irresponsáveis e práticas comerciais.

Juntos, esses três elementos podem estimular o diálogo e a colaboração necessários entre empresas a montante e a jusante das cadeias de suprimentos, o que continua sendo crucial para abordar uma série de questões complexas da cadeia de suprimentos global, que variam de trabalho infantil e desmatamento à violência de gênero.

Então, quão boa é a atual proposta da Comissão Europeia?

Na nossa opinião, a presente proposta é um bom começo para novas negociações, pois a Comissão reconhece a necessidade de envolver toda a cadeia de abastecimento, envolver as partes interessadas e reformar as práticas de compra.

No entanto, há muito espaço para melhorias no âmbito da proposta. A proposta abrange apenas empresas muito grandes, excluindo cerca de 99% de empresas.

Além disso, a proposta atual não estimularia a colaboração concreta nas cadeias de suprimentos. Abrange apenas "relações comerciais estabelecidas". Isso significa que as empresas que evitam relacionamentos de longo prazo e mantêm listas de fornecedores de curto prazo podem continuar ignorando os direitos humanos e questões ambientais nas cadeias de suprimentos.

A proposta também sugere que os compradores europeus podem encerrar uma relação comercial sempre que o comprador perceber que um fornecedor tem sérios problemas de direitos humanos ou ambientais que provavelmente não cessarão ou serão significativamente mitigados no curto prazo. Isso, francamente, não faz sentido. Soluções de curto prazo são raras porque problemas sérios como trabalho infantil, trabalho forçado e desmatamento são alimentados por muitos fatores sociais e econômicos.

O que precisamos é de diálogo significativo e colaboração duradoura entre todos os atores da cadeia de suprimentos: é isso que é necessário para fazer progressos reais na prevenção, interrupção e reparação de violações de direitos humanos e danos ambientais nas cadeias de suprimentos globais.

Saber mais

recomendado

Contato
Siga-nos
linkedin Facebook pinterest YouTube rss Twitter Instagram facebook em branco rss-em branco linkedin-blank pinterest YouTube Twitter Instagram